sexta-feira, junho 08, 2007

Breve História da Educação Inclusiva

Para falarmos de Educação Inclusiva é importante destacar o caminho percorrido pelas pessoas com necessidades especiais, ressaltando as lutas da humanidade pelo direito a ter direitos já que dentre todas as minorias essas pessoas vieram de um período de exclusão, seguido da segregação, institucionalização, e integração, para só agora passarem a gradualmente serem incluídas na sociedade. Do ponto de vista da legalidade, desde 1948, a partir da Declaração Universal dos Direitos Humanos, pode-se afirmar que a educação de especiais passou a ser sinalizada, passando a pessoa com necessidades especiais a se tornar portadora de direitos e, sobretudo do direito à igualdade. Vários outros documentos foram sendo construídos através de lutas sociais, sobretudo pelo direito à diversidade e à igualdade de condições para todos, porém, diante de uma sociedade vítima de todo um processo de exclusão ao longo de sua história, a educação de especiais veio a se tornar debatida, redirecionada e difundida somente a partir do surgimento do termo Educação Inclusiva que passou a ser reconhecido mundialmente a partir da Declaração de Salamanca, em 1994, reafirmando o compromisso com a efetivação de uma Educação para Todos, reconhecendo a urgência e necessidade de todas as pessoas com necessidades educacionais especiais serem inseridas dentro do sistema regular de ensino. A necessidade da educação especial é alicerçada na importância da educação para todos. Para isto ela deve desenvolver-se de forma que atenda as necessidades individuais de cada um com uma educação de qualidade através da diversificação dos serviços educacionais, não esquecendo de visualizar sempre as potencialidades e limitações de cada indivíduo dentro de um contexto de diversidade. Ainda ao falarmos de Educação Inclusiva queremos dizer de uma Educação que, sobretudo vise desenvolver o ser humano em sua plenitude, baseando-se no respeito à diferença, e à diversidade, onde a pessoa com necessidades especiais possa desfrutar do direito de ser tratado com igualdade respeitando sua limitação e, sobretudo baseado na capacidade ilimitada que possui todo ser humano de desenvolver-se. Seria incompatível falar de inclusão no Sistema Educacional Regular de Ensino se deixássemos de salientar a importância da Teoria de Gardner - Teoria das Inteligências Múltiplas - que foi reconhecida devido aos progressos da Neurociência, e veio contribuir e reafirmar o potencial de toda pessoa, bastando para isto ser estimulado e deixando para trás a visão de pontuar as dificuldades do período da integração. desta forma avançando na visualização do indivíduo na sua integralidade. Também seria igualmente incompatível falar de Inclusão esquecendo da heterogeneidade de Wygotsky. "Wygotsky que produziu sua obra nos anos 20 e 30 deste século e poderia ser atualmente um cognitivista, propõe uma abordagem unificadora das dimensões afetiva e cognitiva do funcionamento psicológico que muito se aproxima das tendências contemporâneas." afirma Marta Kohl de Oliveira em seu livro O Problema da Afetividade de Wygotsky (pág. 75). Apesar das garantias da legislação, o movimento da inclusão apenas começou, haja vista que existem inúmeras barreiras ao longo deste processo que levarão anos a serem destruídas e certamente dependerão desde a efetivação das políticas públicas garantindo o direito de cada um, partindo das barreiras arquitetônicas até as barreiras atitudinais que certamente estas serão, ainda por algum tempo, o maior obstáculo na luta pela igualdade. . No entanto, diante de um tema tão sério, polêmico e complexo sabemos que existe a necessidade cada vez mais urgente de se estudar, debater, pesquisar e principalmente sensibilizar a sociedade da importância de quebrarmos as barreiras construídas ao longo de todo um processo de segregação da humanidade, erguidas e fortalecidas pelo preconceito, maior responsável pela discriminação e enfraquecimento das minorias. Fica, portanto evidenciado a importância da educação em promover a desmistificação do preconceito através da sensibilização da sociedade, levando-a a reflexão e a rever valores internalizados, baseado em mudanças de atitude e em suporte teórico sólido.

3 comentários:

Ana disse...

sou formanda do curso de pedagogia na UNIR_RO e minha monografia e sobre a educaçao inclusiva, portanto se vc. puder me fornecer algum material sobre ficaria muito feliz e esse artigo é de uma linguagem muito agradavel de se ler, parabens!ana

Alana Lins disse...

oi sou Alana e Pedagoga, além de ser apaixonada pela educação. Parabéns pelo bolg e pelos objetos de estudo nele publicados.

Fabíola disse...

Estou escrevendo um artigo cientíico para pós graduação sobre educação inclusiva e gostaria de algum material que pudesse me auxiliar neste processo...


Obrigada!